24.8.12

Hemominas - Doe sangue


Nos dias atuais um assunto que me preocupa e a solidariedade! vejo muitas pessoas necessitando de doações não só de objetos, mais sangue e órgãos sem obterem sucesso. Parentes optam por deixar o familiar "inteiro" quando uma corneá doada poderia devolver a visão a uma pessoa que possui anos pela frente. Sim, e triste. o individualismo acaba com o mundo. Por isso venho falar hoje sobre o Hemominas.

O Hemominas e responsável pelo recolhimento das doações de sangue em algumas cidades de minas como a Além Paraíba, Belo Horizonte (3 unidades), Betim, Diamantina, Divinópolis, Frutal, Governador Valadares, Ituiutaba, Juiz de Fora, Montes Claros, Manhuaçu, Passos, Patos de Minas, Ponte Nova, Pouso Alegre, São João Del Rei, Sete Lagoas, Uberaba e Uberlândia.
Quem pode doar:

Pessoas entre 16 e 67 anos. Mas, atenção: se o candidato à doação de sangue tem entre 16 e 17 anos ou mais de 60 anos, é  importante conhecer as Normas e documentos necessários para doação de sangue.   Os demais critérios são válidos para todos.

Quem tem e está com boa saúde;
Quem pesa acima de 50 kg;
Quem dorme bem na noite anterior à doação;
Mulheres, mesmo se menstruadas ou em uso de anticoncepcionais.


Quem não pode doar:
Quem teve hepatite após os 11 anos de idade, exceto se tiver comprovação laboratorial da época de que se tratou de hepatite A (IgM positiva).
Quem tem exposição a situações de risco acrescido para doenças sexualmente transmissíveis;
Quem teve gripe, resfriado ou diarreia nos sete dias anteriores à doação;
Quem ingeriu bebida alcoólica nas últimas 12 horas anteriores á doação;
Quem usou ou usa drogas injetáveis;
Quem apresenta ferimento ainda não cicatrizado;
Quem estiver grávida ou em período de amamentação; após o parto normal é necessário aguardar três (3) meses; após cesárea, seis (6) meses;
Quem fez qualquer exame por endoscopia nos seis (6) meses anteriores à doação;
Quem fez cirurgia por laparoscopia nos seis (6) meses anteriores à doação;
Quem fez tatuagem nos últimos 12 meses anteriores à doação.
Quem fez ou faz tratamento dentário (a pessoa pode ser impedida de doar por um período de 1 a 30 dias, conforme o caso).          




  • Critérios gerais de doação

Qualquer pessoa pode doar sangue?

Para doar sangue a pessoa necessita ter e estar com boa saúde. O candidato à doação de sangue passa por uma avaliação detalhada sobre seu passado de doenças, sinais e sintomas atuais, comportamento sexual e social. Assim, algumas situações, mesmo controladas, podem impedir temporária ou definitivamente a doação de sangue. Em caso de qualquer impedimento não há motivo para constrangimento. Se o impedimento for temporário, é só seguir as orientações do triagista e retornar após o prazo solicitado para candidatar-se novamente à doação. Mas, mesmo as pessoas definitivamente inaptas podem contribuir captando novos doadores e disseminando informações sobre a doação.

Por que são feitas tantas perguntas para avaliar a doação de sangue?

Porque a doação de sangue, apesar de salvar vidas, pode também transmitir várias doenças a quem recebe o sangue. Os exames para verificar se o doador está com alguma doença não são absolutamente capazes de detectá-la. Por exemplo, a maioria dos exames mede a quantidade de anticorpos (defesa formada pelo corpo na presença de uma infecção) no organismo, mas para que o exame consiga detectar a presença da doença, é necessário que estes anticorpos tenham atingido um determinado valor no sangue. Assim, se uma pessoa adquiriu uma doença há pouco tempo, pode ser que o exame dê resultado negativo, mesmo ela estando infectada. O tempo transcorrido entre a pessoa adquirir uma doença e o exame conseguir identificá-la é conhecido como janela imunológica. Algumas das doenças transmitidas pelo sangue possuem um tempo de janela bastante grande e é por isso que algumas situações impedem a doação por um tempo longo.

Por que é preciso repetir todos os procedimentos a cada doação?

Os dados de cadastro devem ser conferidos a cada doação para garantir a possibilidade de contato com o doador, em caso de necessidade de repetição de exames, por exemplo. As perguntas da triagem clínica devem ser todas repetidas para afastar a possibilidade de qualquer alteração, por menor que seja). Nada impede que uma pessoa tenha apresentado uma nova doença, sintomas não esclarecidos ou mesmo ter sido exposta a uma situação de risco, até então não observada, em um prazo de 60 dias. Vale lembrar que todos estes procedimentos são garantia de segurança, tanto para o doador quanto para o receptor do sangue doado.

Por que é exigida a apresentação de documento oficial original e dentro do prazo de validade?

A legislação em vigor exige a apresentação de documento oficial e dentro da data de validade para garantir a autenticidade do cadastro do doador e a segurança de ambos, doador e receptor. Esta exigência visa coibir a apresentação de documentos falsos por parte de pessoas inescrupulosas. Uma doação nessa situação pode trazer riscos aos receptores, uma vez que quem comete uma fraude para realizar a doação pode, também, omitir exposições a situações de risco que favoreçam a aquisição de doenças transmissíveis pelo sangue; essas pessoas podem doar em período de janela imunológica (quando o exame do sangue não é capaz de identificar a presença da doença) e transmitir uma doença ao receptor. Ao mesmo tempo, a doação com documentos falsos poderá dificultar ou impedir que o legítimo proprietário daquele documento venha a realizar novas doações, já que a presença de exames alterados para doenças infecciosas pode impedir a doação de sangue em definitivo.  

Pode-se doar para fazer exames?

Se a pessoa está sentindo algo diferente ou passou por alguma situação considerada de risco quanto a transmissão de doenças, a primeira conduta a ser tomada é procurar um médico. Somente ele, em uma consulta, poderá avaliar os sintomas ou receios para verificar se são necessários exames complementares ou apenas acompanhamento. Além disso, pode haver a necessidade de a pessoa demandar exames que não são feitos no sangue doado. Não se deve doar sangue para fazer exames. É bom lembrar que o objetivo da doação de sangue é salvar vidas, mas deve-se proteger o paciente para que ele não adquira outra doença na transfusão.

Por que existe limite de idade para doar sangue?

A idade mínima está relacionada à maioridade legal, quando o cidadão passa a ser o responsável sobre seus atos. A idade máxima relaciona-se a uma maior probabilidade de possuir doenças que possam interferir negativamente na doação de sangue, principalmente sob o aspecto de segurança do doador. Cabe ressaltar que, com a Portaria nº 1.353, de 13.06.2011, do Ministério da Saúde, as idades mínima e máxima para doar sangue foram alteradas, abrangendo, agora, pessoas entre 16 e 67 anos. Mas, atenção: se o candidato à doação de sangue tem entre 16 e 17 ou mais de 60 anos, é  importante conhecer as Normas e documentos necessários para doação de sangue.  
Posso doar sangue mesmo sem ter o peso mínimo (50 kg) recomendado?
 A Fundação Hemominas não dispõe de condições para coletar sangue de pessoas com peso inferior a 50 kg. O volume de sangue total a ser coletado é diretamente relacionado ao peso do doador. Para os homens, não pode exceder a 9ml / kg peso e, para as mulheres, a 8ml / kg peso. O anticoagulante presente na bolsa de coleta liga-se ao sangue impedindo que este coagule. A Fundação Hemominas utiliza uma bolsa cujo volume de anticoagulante é padronizado para um mínimo de 400ml de sangue, o que impede a coleta de volumes inferiores provenientes de doadores de mais baixo peso. Existem outros centros de coleta em Belo Horizonte, nos quais você poderá se informar sobre as condições próprias de coleta. Vale lembrar que tão importante quanto a doação é a educação para a doação. Ao convencer outras pessoas sobre a importância do sangue e sensibizá-las para a doação, promove-se uma grande transformação em nossa sociedade, com mudanças significativas e duradouras no que se refere à saúde e à segurança de todos. 

O candidato à doação deve comparecer em condições plenas de saúde. Assim, se estiver apresentando qualquer sintoma, mesmo que leve, deverá aguardar a melhora para então procurar uma unidade de coleta. Lembrando que a doação é um gesto que permite salvar vidas, mas que não deve e não pode prejudicar a saúde do doador. Para informações sobre quanto tempo aguardar para realizar a doação após apresentar determinados sintomas/doenças, consultar a seção Condições para doar sangue.


Por que é preciso estar com peso estável para doar sangue?

Porque o candidato à doação deve se encontrar em boas condições nutricionais, a fim de que seu organismo possa responder adequada e prontamente à doação de sangue. O sangue doado é rapidamente reposto, a partir das reservas de líquido, vitaminas e minerais de seu corpo.

Existe limite de temperatura para doar sangue?

O doador deve estar sem febre, uma vez que esta pode estar relacionada a alguma doença infecciosa passível de transmissão pelo sangue ao receptor. A temperatura será aferida no momento da triagem e não poderá exceder 37° C.

Pode-se doar sangue se estiver com o pulso acelerado ou lento?

Os batimentos cardíacos/pulso serão avaliados pelo triagista. Devem ser regulares e estar entre 60 e 100 batimentos por minuto. Fora destes limites apenas a critério médico haverá liberação para doação. Este critério visa à proteção do doador, uma vez que fora destes limites a chance do doador se sentir mal aumenta.

Pode-se doar sangue com a pressão alta ou baixa?

Portadores de hipertensão arterial crônica, desde que com a pressão arterial controlada, em uso de um único medicamento que não contraindique por si a doação e sem alterações de órgão alvo (p.ex.: coração, rins), poderão doar sangue. Assim, para que possa doar, será necessário solicitar ao seu médico assistente um relatório informando sobre suas condições clínicas, tratamento e o acompanhamento realizado. No dia da doação, a pressão sistólica (máxima) deverá estar abaixo de 140 mmHg e a pressão diastólica (mínima) abaixo de 90 mmHg para o procedimento ser autorizado.
Se a pressão do doador costuma ser mais baixa, isso não impede a doação de sangue; ela será avaliada pelo médico antes do procedimento.
Para pessoas sem história de hipertensão arterial, a pressão sistólica (máxima) no momento da doação não poderá exceder 180mmHg. A pressão diastólica (mínima) não poderá exceder 100mmHg.
Para todos os candidatos, a pressão sistólica (máxima) no momento da doação não poderá estar abaixo de 90mmHg e a pressão diastólica (mínima) não poderá estar abaixo de 60mmHg. Estes limites são determinados para proteção do doador, a fim de evitar que ele apresente reações adversas em função da doação.

Por que é preciso ter dormido para doar sangue?

O descanso prévio é necessário porque o cansaço físico pode favorecer a ocorrência de reações adversas na doação de sangue.

Por que é tão demorado doar sangue?

Para segurança tanto do doador quanto para o receptor, a doação de sangue exige uma série de cuidados que vai desde a realização de um cadastro completo, uma avaliação detalhada sobre a saúde do doador e a realização de um lanche pós-doação para reposição da perda líquida ocorrida durante o procedimento.
  
Pode-se fazer os exames e a doação de sangue no mesmo dia ou os exames são feitos num dia e a doação em outro?
Ao chegar à Fundação Hemominas para doar sangue, primeiro o doador fará um cadastro. Durante o processo, é importante a apresentação de um documento de identificação oficial, com foto. Feito o cadastro, o candidato à doação passará por uma entrevista com um profissional de saúde que avaliará se está apto a doar ou não, verificando critérios de proteção tanto para o doador quanto para o receptor. A seguir, será realizado um exame para verificar se o candidato possui anemia. Sendo considerado apto em ambas as etapas, o candidato realizará um pré-lanche e efetuará a doação. Os exames restantes (tipagem sanguínea e sorológicos) serão realizados após a doação.Cabe esclarecer que os exames que avaliam a presença de doenças transmissíveis pelo sangue podem apresentar resultados falsopositivos, em função da janela imunológica (ver descrição abaixo). A entrevista realizada antes da doação procura identificar as situações em que o candidato esteve exposto a situações de risco para doenças transmissíveis; caso haja interesse em confirmar esta possibilidade, a sugestão é que se procure um Centro de Testagem Anônima (CTA), onde os testes são realizados de forma gratuita e confidencial, ou um médico da confiança do interessado para obter mais esclarecimentos.

Por que existe um intervalo mínimo para doar novamente?

Para possibilitar a recuperação do sangue doado e, em especial, do estoque de ferro do organismo utilizado na produção de glóbulos vermelhos. Nas mulheres, esse intervalo é maior em virtude da perda de ferro no período menstrual.

Por que o candidato com crise de alergia não deve doar sangue?

 Porque durante a crise de alergia o doador tem substâncias (imunoglobulinas) circulando no seu sangue, que podem passar para o paciente e causar reações. Fora da crise, não existem motivos para impedir a doação.

Por que o candidato que teve resfriado, dor de garganta, gripe ou diarreia na semana anterior não deve doar sangue?

 Porque estes sinais e sintomas podem estar associados a infecções bacterianas que podem estar presentes na circulação sanguínea do doador e contaminar a bolsa de sangue, resultando em reações graves nos receptores.

Por que quem recebeu transfusão só pode doar sangue um ano depois?

Porque quem recebeu transfusão de sangue há menos de um ano pode estar no período denominado “janela imunológica”, no qual as infecções nem sempre são detectadas nos exames. O prazo de 12 meses para a doação de sangue inclui uma margem de segurança, que considera a variação do período de janela imunológica das diversas doenças transmissíveis pelo sangue.

O que é “janela imunológica”?

 Janela imunológica corresponde ao período em que o organismo já está infectado, mas ainda não produz anticorpos em quantidade suficiente para serem detectados nos testes da triagem sorológica. O tempo correspondente varia de doença para doença e, com o aperfeiçoamento dos testes existentes e o desenvolvimento de outros, será possível a detecção cada vez mais precoce da infecção. Mas, por enquanto, é ainda na entrevista da triagem clínica que se pode levantar informações sobre situações de risco para janela imunológica. Daí, a importância da sinceridade do doador ao responder as perguntas feitas na triagem.

A ansiedade do candidato pode impedir a doação?

Sim, porque a ansiedade pode ser fator desencadeante de alguma reação indesejável (como por exemplo, a queda de pressão) durante a doação de sangue. No entanto, não há motivos para ansiedade, uma vez que, na triagem, há um profissional preparado para fornecer todas as informações sobre a simplicidade e segurança do processo de doação. Também, na coleta do sangue, o doador é acompanhado todo o tempo por profissionais experientes.

Quanto tempo o organismo leva para recuperar o sangue doado?

Na doação de sangue não há modificação significativa no número de plaquetas. O volume de sangue doado é reposto em poucas horas, o plasma em 24 horas e os glóbulos vermelhos entre duas e três semanas. Essa reposição está na dependência de fatores como: tipo e quantidade da alimentação, perdas hemorrágicas, como as menstruais etc. A doação não vicia nem obriga o doador a retirar sangue regularmente. Se isso fosse real, o paciente que perdeu sangue num acidente precisaria doar ou retirar sangue a intervalos regulares! 

Mesmo sendo cadastrada no hemocentro é preciso apresentar documento de identidade a cada nova doação?

Sim. A exigência da apresentação de um documento de identidade oficial com foto, a cada doação, está contida na legislação que determina o Regulamento Técnico para os Procedimentos Hemoterápicos. Além disso, este é um procedimento que garante a segurança quanto à adequada identificação do candidato à doação evitando que outras pessoas doem em seu nome.


Alameda Ezequiel Dias, 321  Belo Horizonte - MG, 30130-110
0800 031-0101





Like us on Facebook