google-site-verification=Z2m43KT1B9TEbk1ckBpy6sKAPEhE-S_rszSoIbgTl4o
TEATRO

Dr. Palhaço e o fluxo

O médico psiquiatra Flavio Falcone, o Palhaço da Cracolândia, divide o palco com o pianista Leandro Cabral e convidados.

O espetáculo é o resultado do trabalho que o palhaço e psiquiatra Flávio Falcone desenvolve na região da Cracolândia desde 2012, fazendo encaminhamento dos dependentes químicos e, principalmente, criando relações com aqueles que foram esquecidos por todos.

Ainda cursando a faculdade de medicina da Universidade de São Paulo, Falcone sentiu que sua missão era trabalhar com saúde mental dos desvalidos: dependentes químicos, pessoas em situação de rua, os invisíveis sociais.

A figura do palhaço sempre foi o mediador de sua relação com os usuários, pois facilitava a abordagem humanizada que Falcone gostaria de ter junto ao seu público alvo:

“O Palhaço faz as pessoas rirem do erro. É o que você faz de errado, é o seu defeito e não sua qualidade que é colocada ali, na frente de todo mundo. E é assim que me conecto com aqueles que estão em uma situação de esquecimento completo, que são marginais,” explica.

Leia também: DEPOIS DAQUELA VIAGEM

Inicialmente, Falcone levava espetáculos de artistas circenses para atrair os usuários, o que tinha certa repercussão, mas sem grande adesão. Ao investigar com o público local, percebeu que o circo não faz parte da cultura da maioria daquelas pessoas. Foi então que Falcone percebeu a força da cultura do Rap e Hip Hop na vida dos usuários. O Palhaço passou então a fazer uma radio e quem assumiu o picadeiro foram os próprios usuários com suas músicas.

“Quando eu comecei a fazer a rádio, lotava. Eu chegava com uma caixa de som, um microfone e colocava a música que eles queriam no Youtube, a partir de uma lista previamente combinada,” conta Falcone.

Além de escolher músicas, alguns usuários começaram a cantar seus Raps no picadeiro, contando histórias de suas vidas. “Com esse trabalho, eu consegui criar um vínculo extremamente forte e afetivo com eles,” completa.

Neste espetáculo, o Palhaço conta histórias de vida de homens e mulheres, que ouviu nos últimos 7 anos levando o circo para a Cracolândia. Além de depoimentos de situações vividas por ele mesmo. Infelizmente, Falcone foi demitido do Programa Recomeço, do governo estadual, com uma breve justificativa:

“Disseram que o contrato do hospital foi renovado e que e que eles precisaram cortar alguns custos. Mas que vão contratar outra pessoa para fazer o que eu faço, porque o que eu faço qualquer pessoa pode fazer,” lamenta indignado, afirmando que sua demissão se deu por causa de um viés político.

“Eu falo abertamente que a guerra às drogas é um fracasso e eles (do Programa Recomeço) são a base de sustentação. Portanto, minha demissão é política. Eu não posso existir dentro de um governo que sustenta essa política que é falida e hipócrita,” emenda.

Mais informações sobre o trabalho desenvolvido por ele e detalhes sobre sua demissão pode ser conferidas na entrevista feita por Maria Teresa Cruz: https://ponte.org/tag/flavio-falcone/

Serviço

Dr. PALHAÇO E O FLUXO

Ensaios abertos
Teatro Cacilda Becker
Rua Tito, 295 – Lapa
Telefone: (11) 3864.4513
 Dias 17 e 18 de maio, às 20h. Dia 19, às 19h
Entrada Gratuita
Retirada de ingressos uma hora antes, na bilheteria

Temporada
Teatro de Contêiner Mungunzá (99 lugares)
Rua dos Gusmões, 43 – Santa Ifigênia
Telefone: (11) 97632.7852
Dias 20, 21, 22, 27, 28 e 29 de maio, às 20h

Entrada Gratuita
Retirada de ingressos uma hora antes, na bilheteria
Duração: 50 minutos
Recomendação: 18 anos

Fui em Roraima nascer, em Minas Gerais crescer e em São Paulo ser alguém, sou designer de moda, pós graduado em comunicação e marketing em mídias digitais por formação, blogueiro desde 2006 por um feliz acidente do destino, viciado em café, adoro conversar, ouvir historias e dar conselhos.

%d blogueiros gostam disto: